O Mundo em Movimento

categorias

histórico

2013 ou 2014, o que comprar?

Joel Leite

— Só vale a pena comprar o 2013 com muito desconto: a média de depreciação em um ano é de 16,2%
— Mesmo sem mudanças, é vantagem comprar o 2014, porque ele vai valer mais na hora da revenda.

 Ford Fiesta 2014

Mal iniciamos o segundo semestre e a linha 2014 já toma conta do mercado. Na verdade, desde o início do ano já havia modelos 2014 pra vender. Como a legislação permite o lançamento da linha “nova” a partir de janeiro, montadoras e importadoras aproveitam para fazer marketing e incrementar as vendas.

Para o comprador do OK é vantagem comprar o 2014, pois ele vai ficar como carro“atual” por mais tempo. Mas essa prática prejudica o comprador do usado, como veremos mais adiante.

Dos 1,2 mil carros e comerciais leves vendidos no mercado brasileiro, 441 já são 2014. O número não é maior porque a legislação em outros países não permite o lançamento do 2014 antes do último trimestre. É o caso dos carros importados da Argentina, onde o modelo 2014 só pode ser lançado a partir de setembro. É por isso que nem todos os carros de marcas como Volks, Fiat, Ford e Toyota já são 2014. Carros vindos do México, assim como de outros países, também são 2013.

Volkswagen CrossFox 2014

O Focus e o Space Fox, por exemplo, que são importados da Argentina, ainda são 2013, enquanto os carros dessas duas marcas feitos no Brasil já são 2014.

E na maioria das vezes o lançamento da linha 2014 não vem junto com mudanças no carro: é pura ação comercial.

O que comprar?

O consumidor que vai comprar nos próximos meses precisa estar atendo e verificar qual é o ano-modelo do carro. É vantagem comprar o 2014, porque o 2013 vai ficar “velho” em alguns meses, enquanto o 2014 vai “ficar novo” mais tempo.

Space Fox – ainda é 2013 porque vem da Argentina

Não é apenas uma questão de status, mas uma questão econômica: na hora da revenda, daqui dois, três ou quatro anos, o 2014 valerá muito mais do que o 2013. Segundo dados do estudo de Depreciação AutoInforme/Molicar,o carro perde, na média, 16,2% do seu preço no primeiro ano de uso. Os carros pequenos, com maior volume de venda, têm uma depreciação menor, às vezes menos de 10%, enquanto os modelos importados de luxo podem depreciar mais de 25% em um ano.

A depreciação mínima registrada no último estudo sobre Valor de Revenda foi de 9,3% (veja abaixo) e a máxima foi de 27,1%.

Por isso, na hora da compra de um modelo 2013, exija um desconto no mínimo equivalente à diferença de preços entre o 2013 e o 2014 daqui um ano.  Caso contrário compre o 2014. Mesmo pagando um pouco mais caro e mesmo que o modelo 2014 não tenha tido nenhuma mudança, ainda assim vale a pena, pois você terá retorno do dinheiro investido na hora da revenda.

Depreciação Média: 16,2%

Depreciação Mínima: 9,3%

(em geral, carros pequenos e de grande volume)

Depreciação Máxima: 27,1%

(em geral, carros luxuosos e importados)

Clique aqui e veja a lista dos modelos 2013 e dos modelos que já são 2014

 

Joel Silveira Leite

Joel Silveira Leite é jornalista e pós graduado em Semiótica e Meio Ambiente. Diretor da Agência AutoInforme, responde pelos sites AutoInforme e EcoInforme. Apresenta o Boletim AutoInforme nas rádios Bandeirantes, Band News e Sulamérica Trânsito. É colunista em várias publicações.

O Mundo em Movimento

O blog O Mundo em Movimento tem a pretensão de falar sobre vários assuntos, além do mundo do automóvel, aventurando-se a discutir política, economia, mídia, sociedade, meio ambiente, gastronomia e postando artigos de terceiros que julgar interessantes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo